Os gatos de Aldemir Martins

Aldemir Martins foi pintor, gravador, desenhista e ilustrador. Nasceu no Ceará, em 1922 e morreu em São Paulo, em 2006.
Desde o início da carreira sua produção é figurativa, e o artista emprega um repertório formal constantemente retomado: aves, sobretudo os galos; cangaceiros, inspirados nas figuras de cerâmica popular; gatos, realizados com linhas sinuosas; e ainda flores e frutas.
Nas pinturas emprega cores intensas e contrastantes.
Histórico
Em 1941, participa da criação do Centro Cultural de Belas Artes, em Fortaleza, com Antonio Bandeira, Raimundo Cela, Inimá de Paula e Mário Baratta, um espaço para exposições permanentes e cursos de arte.
Três anos depois, a instituição passa a chamar-se Sociedade Cearense de Artes Plásticas – SCAP. Aldemir Martins produz desenhos, xilogravuras, aquarelas e pinturas. Atua também como ilustrador na imprensa cearense.
Em 1945, viaja para o Rio de Janeiro, e, menos de um ano depois, muda-se para São Paulo, onde realiza sua primeira individual e retoma a carreira de ilustrador.
Entre 1949 e 1951, freqüenta os cursos do Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand – Masp e torna-se monitor da instituição. Estuda história da arte com Pietro Maria Bardi e gravura com Poty Lazzarotto.
Dois anos mais tarde, faz o cenário da peça Lampião, de Rachel de Queiroz.
Em 1956, sua carreira atinge o ápice ao ser premiado como melhor desenhista internacional na 28ª Bienal de Veneza e expor em diversas partes do mundo. Na década de 1960, trabalha muito com arte aplicada a objetos comerciais.
Em 1962, cria cenário para o 1º Festival da MPB, da TV Record, e elabora estampas para tecidos da Rhodia Têxtil. Faz ilustrações dos aparelhos de jantar da série Goyana de Cora.
A partir da segunda metade dos anos de 1960, Martins faz esculturas de cerâmica e acrílico, além de jóias em ouro e prata.
Em 1969, ilustra bilhetes de loteria.
Seis anos mais tarde cria a imagem de abertura da telenovela Gabriela, da rede Globo.
Em 1981, repete a experiência na abertura da telenovela Terras do Sem Fim.
Nos anos 1980, ilustra jogos de mesa, camisetas e latas de sorvete da Kibon.
Reproduções de sua fase de gatos pode ser encontradas na FASTFRAME – Molduras na Hora.
(Fonte: Itaú Cultural)