LIFESTYLE

Lindas e sensuais, as gordas dominam a V Magazine

A primeira boa notícia de 2010 vem do site Models, que apresentou com exclusividade novas fotos da histórica edição de janeiro da V Magazine com gordas.
As primeiras – by Terry Richardson – foram divulgadas na penúltima semana de dezembro.
Desta vez, o fotógrafo Solve Sundsbo e o stylist Nicola Formichetti transformaram as modelos Tara Lynn, Marquita Pring, Michalle Olson, Candice Huffine e Kasia P em deusas da período Renascentista, com direito a jeans, maiôs, lingeries ou simplesmente nuas.
Elas comprovam que mulheres reais existem, são lindas, sensuais e bem resolvidas com seu corpo.
Sem dúvida alguma, é um momento único na história das publicações de moda, que sobrevive vendendo o sonho e a ilusão que somente magros são elegantes e felizes.
Polêmica
No final da nota publicada no Models, a coisa pega fogo, graças as reações dos leitores.
A grande maioria adorou e celebrou a proposta. O restante detonou.
Um rapaz afirma que as modelos não são mulheres reais e sim, gordas – como se a palavra “gorda” fosse pejorativa. Mulher real, para ele, é magra e “saudável”.
Acredite. Sua opinião não é única. Ela representa a voz da maioria das pessoas da indústria da moda, que defende com unhas e dentes um padrão estético magro, quase esquelético como o ideal de beleza.
Exemplos
Nunca me esqueço de uma palestra com a consultora de moda, Ana Cury, no Tivoli Shopping (Santa Bárbara D’Oeste) que afirmou com todas as letras que mulher gorda não é elegante. Elegante é ser magra. E que, também, não existe roupa que ajude a gorda a ter estilo (como se estilo tivesse alguma ligação com roupa…)!
Numa plateia dominada por mulheres “reais”, a indignação foi grande. Algumas reagiram. Sem se abalar, ela respondeu que um dia ela foi gorda e infeliz. Quando emagreceu, sua vida mudou.
Também não me esqueço de uma matéria feita pelo programa GNT Fashion sobre padrões de beleza e o estilista André Lima afirmou que não faz roupa para gordas. E que também não tinha interesse.
Fechando o ciclo, numa edição deste ano do programa Saia Justa, a atriz e escritora Maitê Proença soltou a seguinte pérola: “os gordos são simpáticos e alegres como uma forma de compensar seu tamanho físico”.
Fechando os exemplos: tive uma amiga (?) que afirmava que os gordos que conhecia tinham rostos lindos. Segundo ela, também era uma forma de compensar o corpo. E ela falava isto PARA MIM, acreditando que aquilo não me magoava!
Finalizando
Estes são apenas alguns exemplos de uma gama de manifestações de preconceito em relação aos gordos, que são perseguidos sem a menor piedade pela indústria da moda e por outros setores sociais, que adoram classificar as pessoas entre “normais” e “diferentes”. Como se a “normalidade” vigente fosse um único padrão físico.
Existe uma confusão entre ser gordo e ser saudável.
Ninguém em sã consciência defende a obesidade mórbida, que é um assunto de saúde pública. Mas afirmar que todos os gordos são “doentes” ou são “infelizes” beira a estupidez.
Também afirmar que todos os gordos sofrem de hipertensão, problemas cardíacos, colesterol alto, diabetes ou outras doenças provocadas pelo sobrepeso também é uma de preconceito. Existem casos… E casos! Nada é definitivo e fechado.
Acontece que os “gordofóbicos” colocam todos no mesmo patamar, sobem no banquinho para defender seu ideal de beleza magro, sem se preocupar se estão contribuindo para uma péssima imagem para muitos adolescentes em relação a seu próprio corpo.
Apenas por esta ótica, a edição da V Magazine é histórica, pois ela propõe uma reversão dos conceitos estéticos!
Sei que é pouco, mas já provoca uma discussão.
É um belo começo para 2010!

 

33 replies »

  1. Tendo saúde , eu prefiro sempre as mulheres fofas :D
    melhor fofa doque magrela ossuda

  2. Amei a matéria, parabéns e é isso ai, pessoal, viva a diversidade. Bom demais que percebam que apesar de gordinhas, as mulheres podem ser lindas, maravilhosas, chiques e sensuais, além de serem as mais divertidas também. Bom que a industria perceba esse mercado enorme e produzam roupas adequadas aos nossos dotes físicos, porque é dificil encontrar lingeries tamanho GG, que sejam realmente GG.

  3. Ah, esqueci de dizer que a matéria está linda e as fotos estão de muito bom gosto. Parabéns!!

  4. Tem muito magro doente por aí, especialmente os sedentários, boemios e fumantes…. achar que a magreza é sinônimo de saúde, é a maior ignorância nos dias de hoje. E tem muita magreza resultante de várias doenças também. Acordem!!!

  5. Muito lindas as fotos e muito legal a matéria!
    e adorei q nao usaram o clássico “gordinha” para descrever o tipo físico, e sim “gorda”!!
    chamar de “inha” é como se tentasse diminuir uma “ofensa”, como muito é usado em nossa sociedade. Então só se chame de gordinha se vc ainda acha q ser gorda ou ser chamada de gorda é uma ofensa!
    (é a mesma luta dos negros p/ nao serem chamados de “morenos” e sim de negros!! pq são o q são e não há nada de ruim nisso!)
    eu sou gorda e ultimamente tenho me achado gostozérrima!!!

    beijos a todos e todas, e abaixo à ditadura da magreza!!!

  6. Nossa, o que mais me magoa é saber que existem pessoas ruins assim no mundo. Não vou dizer que gostaria de ter um corpo mais cheinho, mais se elas teem e não se importam, porqe os outros deveriam? E pra dizer a verdade, elas não são GORDAS, elas so tem barriguinha, porqe o resto, pode- se dizer que elas são GOSTOSAS, esse sim é o termo certo. E essas pessoas que ficam falando essas besteiras, nossa é logico que elas vão ter dificuldade de emgracer, com essa pressão toda em cima delas, e outra coisa, ninguém tem direito de falar que beleza vem de magreza, ate porqe hoje em dia, oque domina não são as magras e anorexicas das pasarelas, e sim as coxudas, bundudas e peitudas, ou mais conhecidas como normais. Um bom exemplo pra mostrar isso, é so você perguntar pra qualquer adolescente/homem oque eles preferem, corpo, ou ossos? ai vemos oque é beleza de verdade!

  7. Andrea,
    To contigo! Sou muito gordinha e sempre procuro me valorizar e valorizar a minha beleza. Produção é TUDO! A mulher, independente de peso, será feia pq não se ama a ponto de não perceber e valorizar sua beleza.

  8. Simplesmente Magnifico esta de Parabéns pela materia.. !!! espero que tenha mais !!

  9. achoa materia feita sobre estas amadas fofinhas fantastica fica minha sugestao para ser colocado no mercado mais lojas para atender este mercado.

  10. Amei ver está materia,pois tambem sou gordinha e sofro bastante com isto;pois no mundo da moda só se faz roupa para as magras e nós ficamos de fora,ex. em um shopping só se acha as vezes 1 loja que tenha roupas com numeração maior.E as roupas que dizem ser G nem cabe na gente pois para eles até o G é pequeno.Acho que deveria ser considerado preconceito quando alguém fala que você é gorda com um tom de sarcasmo. Mas voceis são demais.

  11. Olá Mo,
    Desculpe mas tenho que discordar de vc! Sou fotografa e tenho que te dizer que é justamente isso nessa matéria que mostra que é real, ou seja: que qualquer pessoa com produçao, maquiagem, cabelos e tal… ficam iguais as “deusas” que saem na revistas e parecem nao existir! e que não precisa ser seca e esquelética pra isso!
    um abraço pra vc.

  12. PARA COMEÇAR…. NÃO ACHO ELAS GORDAS…. SÃO MAIS CHEINHAS…. E PELO QUE ME CONSTE A MONALISA ERA MUITO MAIOR E FAZ SUCESSO ATÉ HOJE.

  13. Jorge Marcelo …voce simpleste atingiu o maximo ..nesse seu artigo! meu mega e pesado apoio por seu estilo, sensibildade total! Parabéns

  14. Honestamente, como não ficar bonita com essa produção toda – maquiagem, cabelos, photoshop, etc….????? Não acho que msotre a beleza verdadeira, me desculpem.

  15. Nossa que lindass.. acho um charme essas mulheres que tenha um pouco a mais do peso tenho uma tia que ela é linda , sensual, linda , lindaa.. mas ela tbm é cheinha, ela ate ja saiu em uma revista da minha cidade falando das pessoa pra ser feliz precisa se amar primeiro e gosta como ela é.. ela arrazo no depimneto dela todo mundo da minha cidade veio parabenizala… gostaria que ela participasse mais….

  16. Viver a realidade é o que importa. Fofinhas e fofinhos o importante é ser saudável e feliz. Meus amigos tem barriguinha, barrigona, pneuzinho, pneuzão mas, acima de tudo são os meus amigos. Os valores não estão nas gordurinha e nem nas calorias. Vamos deixar as neuroses prá la.

  17. Olá, amei a matéria as mulheres “gordas” podem e devem fazer parte do mundo da moda como em qualquer outro setor da vida social e política. Somos discriminadas na sociedade, uma mulher gorda é muito mais difícil pra conseguir um emprego, tem que superar e muito o concorrente, na mídia nem se fala, somos motivos de chacotas. Eu aprovo a idéia como todas as mulheres concientes de que são mulheres acima de tudo.

  18. Fiquei muito feliz em saber que ainda existem pessoas, que como nós gordinhas, acreditam em beleza acima do peso!

  19. Muito legal esse introdução das modelos acima do peso.Primeiro pq uma boa parte da poulação em geral é acima das medidas . e tb pq elas são vaidosas, belas, modernas e clientes , querem comprar !!!!!! e compram como qualquer outra pessoa .Sou estilista , e na minha primeira coleção fiz blusas bem grandes , vendi muitas peças para mulheres acima do peso , por acaso e por descuido não tinha pensado nelas. no meu próximo desfile quero por pelo menos 2 na passarela !!!
    moda é para todos.

  20. Adoooooooooooooooreiiiiiiiiiiiiiiiii!!! Que expetáculo de matéria! E as modelos são belissímas!

  21. Muito bom o texto, merece divulgação. Apesar de ter um peso mais ou menos dentro dos padrões (absurdos) da ditadura da moda, e não sofrer com esse tipo de preconceito, fico indignada com os valores passados às nossas crianças.
    Parabéns!

  22. Andréa,

    os homens verdadeiros, apaixonados pela mulher, gostam mesmo é das mais cheinhas. Inteligente, linda e agradável já são características da mulher em geral. Vocês são maravilhosas, menina.

  23. Se o tempo é relativo, e tudo aliás é relativo, por q os padrões estéticos não seriam?
    Estranhamente, condena-se quem é ‘gordo’ mas não a indústria alimentícia, a publicidade, os hábitos sedentários que nos são direta ou indiretamente impostos.
    Saúde: a anorexia é algum exemplo de saúde [física e mental]?? Todos sabem q não.
    Medo: um conhecido outro dia folheava escondido uma revista. Ficou surpreso ao me ver chegar e, assustado, acabou confessando o q fazia – admirava fotos sensuais de uma artista beeem fofa [não sei o nome, é uma humorista].
    Admirei-me mais c/ o fato de ele ter medo de revelar sua preferência do q c/ o seu gosto por cheinhas.
    Ao perceber q, sem preconceitos, eu me divertia, ele disse, desenhenando um coração no ar c/ as mãos: ‘o amor é redondo’.

  24. Que lindas!!
    Quem disse que não existe beleza e sensualidade nas gordinhas?
    Parabéns pela matéria… Beijos!

  25. Claro que eu me sentiria lisonjeada ao ver uma revista com modelos lindas como estas e gordas: sou gorda também, e sinto falta de ouvir que também posso ser considerada linda, inteligente e agradável, sem que isso soe como “ser uma aberração”. Mas lamento muito que tenha havido comentários como os que citaste aí. Não que as mulheres gordas sejam as únicas mulheres reais, mas temos de reaprender a entender a realidade: na vida real, há mulheres gordas, há as magras, há as muito gordas, as muito magras. Há as saudáveis e as doentes…
    … Enfim…
    Teu texto é agradável e sensível, e a abordagem do tema é excelente. Agradeço muito por tua publicação, porque foi um grande prazer tê-la lido!